Exames Complementares – Sobre eles, pense nisto

“Mas Dr…. Eu já fiz exames completos com outros profissionais de saúde e deu tudo normal. Então, o que tenho? Tenho mesmo algum distúrbio”?

Este tipo de comentário é muito comum em consultório e aqui na internet. Sobre ele, esclareço:

1 – Se alguém se queixa de algo, é CLARO que tem algum distúrbio! Se não orgânico, ao menos “psiquiátrico” ao achar que tem algo e preocupar-se com isso, concordam?

2 – Cada profissional de saúde pede os exames que acha necessários. Ou seja, o que um julga “completo” pode não incluir vários, até dezenas, que outro profissional de saúde pediria – Cada ser humano tem sua cabeça, sua opinião e condutas sobre tudo e profissionais de saúde são… Seres humanos, certo? “Tudo” para um profissional, portanto, pode ser algo bem incompleto para outros.

3 – O que é um resultado “normal” para um exame?

Normal, aceitável, “de referência”, alterado, ideal e desejável são conceitos totalmente diferentes na prática clínica, vários deles subjetivos.

Vejamos, em linhas gerais:

– O valor de referência de um exame é o que o laboratório informa no seu laudo; por exemplo, que a ferritina de um homem deveria variar de 29 a 300 ng/ml.

– Normal é o que cada profissional julga não ser a causa ou agravante das queixas do paciente

– Aceitável é aquele resultado que não está exatamente dentro do que o profissional gostaria mas que ele julga “passável” para o caso em questão, merecendo apenas observação e acompanhamento futuro.

– Desejável é o resultado que o profissional almeja para seu paciente

– Ideal é o resultado tido como o que mais traz saúde e benefícios para o paciente, na opinião do profissional de saúde

– Alterado é o valor para o exame que o profissional julga anormal, mesmo que esteja dentro dos valores de referencia

Vejamos o exemplo da dosagem do hormônio DHEA:

O valor de referência de SDHEA para mulheres vai de 34 a 430 mcg/dl em um bom laboratório do DF. Dependendo das queixas da paciente, EU acho aceitáveis valores de 100 a 200 mas usualmente julgo desejáveis valores entre de 200 e 400, com o ideal em torno de 300.

4 – Laboratórios têm valores e unidades que variam de um estabelecimento para o outro, dificultando comparações entre valores diferentes. Ademais, há laboratórios com qualidades diferentes, de procedimentos, metodologias, equipamentos… E tudo isso afeta a qualidade e confiabilidade do resultado final obtido

5 – Muitos exames precisam de condições específicas de alimentação prévia, horário, descanso… E podem sofrer alterações de medicamentos e suplementos em uso – nestes casos, fica claro que o próprio paciente pode, mesmo sem querer, prejudicar a confiabilidade dos seus exames

Entenderam? Resumindo, o MESMO resultado de exame pode ser interpretado por diferentes profissionais dentro de qualquer destas classificações acima, na dependência dos conceitos, estudo, competência e parâmetros de cada um!

Enfim, sobre exames complementares, complementem seu estudo lendo:

http://www.icaro.med.br/exames-complementares-o-que-e-importante-levar-em-consideracao/

Boa semana!

Dr. Ícaro Alves Alcântara | Médico

Gostou deste conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on telegram
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques

CÂNCER

Alguns comentários MEUS sobre CÂNCER, visando ajudar você a entender melhor o assunto. Atendendo a inúmeros pedidos, segue abaixo uma

Entre para nosso grupo no telegram para receber em primeira mão nossos posts

Assuntos relacionados

Níveis baixos de colesterol são perigosos para a saúde
Exames para Avaliação da TIREOIDE - O que você precisa saber
FERRITINA ALTA - para entender de vez (by Dr. Leandro Minozzo)
Exames Complementares – Pedir é fácil, já interpretá-los direito...