EXAMES COMPLEMENTARES – O que é importante levar em consideração

EXAMES COMPLEMENTARES – O que é importante levar em consideração

Este roteiro básico foi o que utilizei recentemente para ministrar aula sobre o assunto na disciplina de Análises Clínicas para o curso de Medicina, na FACIPLAC. Espero que ajude a todos, de alguma forma!

– Sem conhecimentos básicos de Anatomia, Fisiologia, Bioquímica/Biofísica e Patologia, pouco adiantam e podem até levar a condutas inadequadas;

– Exames são como fotos do pacientes no momento em que foram colhidos, ou seja, exames “antigos” NÃO mais refletem o indivíduo na atualidade;

– Sempre correlacionar os exames solicitados com a clínica do paciente (seus sinais, sintomas e patologias)

– “A clinica é soberana”

Como diria Paul Ling Tai, o exame é um pedaço de papel sobre o paciente e NÃO o paciente  que deve ser tratado! Se exames completos e “profundos” contrariam suspeita clínica muito forte, o ideal é tratar baseando-se nesta;

– Não solicite o que você não sabe interpretar – Os resultados podem até confundir;

– Hábitos de vida ruins podem levar a várias alterações nos exames e nem por isso medicamentos são necessários, muitas vezes;

– Parâmetros “ortomoleculares” são diferentes (menos “bonzinhos”)

Na minha prática diária, em geral, utilizo a “Regra do ideal acima do 50%” entre os valores convencionais informados;

– Oriente seu paciente a escolher BONS laboratórios para realizar seus exames: afinal, qual a confiabilidade de exames feitos “em qualquer lugar”?

– Na dúvida, melhor pecar por excesso que por falta;

– Checar se o que está sendo solicitado é o mais adequado para avaliar o que se quer investigar

Por exemplo, em um exame geral, o Magnésio é importante mesmo dentro da célula: é pouco informativa sua dosagem alta ou normal no sangue; o GH varia muito durante o dia e por isso por vezes é melhor dosar um dos seus metabólitos mais estáveis que ele mesmo, como IGF-1;

– Por vezes vários exames são necessários para a avaliação de determinado parâmetro:

Ferro, é melhor avaliado pela sua dosagem, hemograma completo, ferritina, transferrina e capacidade de fixação de ferro; o fígado é melhor avaliado por TGO, TGP, gama-GT, coagulograma e lipidograma completos

– Hormônios atuam em todo o organismo e “uns nos outros”; portanto, quando eles são o foco, ideal mesmo é avaliação mais completa

Por exemplo, quando um caso não evolui, pode ser boa idéia “lembrar” da tireóide e adrenais

Um abraço!

Ícaro Alves Alcântara

Acesse também:

https://info.icaro.med.br/exames-complementares-pedir-e-facil-ja-interpreta-los-direito/

Dr. Ícaro Alves Alcântara | Médico

Gostou deste conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on telegram
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques

Saúde Intestinal

Saúde Gastro-Intestinal, Saúde Intestinal ou termos parecidos = Saúde de todos os componentes e órgãos do aparelho digestivo e boa

Entre para nosso grupo no telegram para receber em primeira mão nossos posts

Assuntos relacionados

Exames para Avaliação da TIREOIDE - O que você precisa saber
Exames Complementares – Pedir é fácil, já interpretá-los direito...
FERRITINA ALTA - para entender de vez (by Dr. Leandro Minozzo)
Exames Complementares - Sobre eles, pense nisto