TESTOSTERONA (e demais) hormônios – Tire mais dúvidas sobre sua utilidade

2 textos que falam sobre hormônios e testosterona
(Para você entender, de uma vez por todas, que podem ser bem benéficos quando bem utilizados, para quem realmente precise e por quem saiba indicar acompanhar o uso):
– – – – – – – – – – – – – – – – – –
TESTOSTERONA para mulheres
Pessoal, chegou ao meu conhecimento que “estão indicando por aí” testosterona não-bioidêntica “para aumentar libido” (deposteron e cia, pelo que fiquei sabendo) mas até mesmo sem consulta médica para checar necessidade (“mercado negro” ou “receita com médico amigo”). NÃO façam isso: os efeitos colaterais e adversos a médio e longo prazo podem ser devastadores!
– Testosterona para quem precise realmente dela pode ajudar mesmo a recuperar saúde, produtividade e bem-estar ( leia meus artigos sobre ela aqui http://www.icaro.med.br/artigos/?s=testosterona ) mas só nesta condição e com uso bem orientado e acompanhado. Se utilizada mal e/ou sem necessidade, como todo hormônio, pode ser bem perigosa.
– Muitas vezes podemos restaurar bons níveis hormonais só melhorando os hábitos de vida e mantendo-os bons: aliás, este deveria ser sempre o primeiro passo!
– Todo uso de hormônios deve ser acompanhado por bons hábitos de vida ou o organismo não tem como executar as ordens que os hormônios tentam transmitir
– A libido, especialmente feminina, depende de vários fatores como stress, fase do ciclo, neurotransmissores (sobretudo dopamina e serotonina), hormônios (tireóides, progesterona e testosterona), fatores psicológicos, … Agir em um destes fatores se o problema for com outros, não vai dar certo e pode trazer problemas!
– A prescrição de hormônios só deve ser feita, racional e adequadamente, após contemplar exames complementares + quadro clínico . De outra forma, possivelmente será inadequada.
– Sempre checar doses, forma de administração, qualidade da substância administrada, por quanto tempo, acompanhamento de efeitos, reajuste de doses, reavaliação por exames: tudo isso só um médico competente pode fazer por você.
– O que “é bom” para seu vizinho (ou vizinha) pode não ser bom e até catastrófico para você! Não caia nessa de “isso é sempre bom pra aquilo” – cada ser humano é um e reage diferentemente ao que venha do meio externo!
Bom senso, gente!
______________________________________________

 

Especialistas ressaltam benefícios da #TESTOSTERONA e rebatem críticas ao hormônio
“O hormônio tem diversos benefícios, entre eles, inibe fatores que causam doenças cardiovasculares e ateroscleróticas
Os especialistas indicam ainda que a série de
tratados em Brasília com a reposição de
testosterona e dos inibidores de aromatase, segundo a
técnica farmacêutica padronizada e estudada em Congressos Internacionais, confirma uma pesquisa publicada
Foto: Divulgação
Ser homem culturalmente é sinônimo de vigor e virilidade. Muito desse vigor se deve ao hormônio masculino, a testosterona. A substância é tão benéfica ao corpo, que homens e mulheres têm feito tratamentos médicos com a substância em busca de seus diversos benefícios, como prevenção a osteoporose, melhora na cognição e na atenção e aumento da libido. O hormônio também promove o aumento da força, da energia e da massa muscular, combate a depressão, e auxilia na queima de gordura.
Entretanto, os benefícios para o coração são os que mais têm recebido destaque. “Níveis baixos de testosterona estão ligados a alterações desfavoráveis de triglicérides e colesterol HDL, fatores para doenças cardiovasculares e ateroscleróticas”, explica Leandra Sá, coordenadora da Assessoria Farmacêutica da Farmacotécnica, farmacêutica bioquímica e especialista em Manipulação Magistral Alopática.
Recentemente foi veiculado na imprensa, no jornal O GLOBO, os possíveis riscos que o hormônio poderia trazer para o coração, quando feita a reposição da testosterona. Especialistas na área e com ampla experiência na manipulação e prescrição do hormônio discordam das informações veiculadas e atestam suas vantagens. “Foi veiculado que a reposição da testosterona pode aumentar o risco de ataques cardíacos, o que causou muita aflição e dúvidas em muitos pacientes que, com níveis declinantes de testosterona se submeteram ao tratamento de reposição, em face de notórios problemas como a debilidade muscular, o aumento de peso, a perda cognitiva, depressão, aumento de risco de diabetes tipo II e cardiopatias. Por sinal, o tratamento de reposição da testosterona bioidêntica, diga-se de passagem, é altamente benéfico nessas indicações”, contesta Arnoldo Velloso da Costa, neurologista, nutrólogo e ex-pesquisador da Fundação Alexander Von Humboldt (Alemanha).
Arnoldo alerta que o estudo em questão, utilizado para veicular as informações errôneas, foi publicado no JAMA (Journal of the American Medical Association), e que admitia que o nível médio de testosterona dos participantes era de 332 ng/dL ou 3330 pg/mL. “Vale lembrar que estudos prévios revelaram que baixos níveis de testosterona equivalentes aos do estudo em pauta apontaram um aumento de risco cardiovascular em comparação com níveis acima de 500-550 ng/dL, quando já se observa clinicamente uma ação cardioprotetora, totalmente inversa ao resultado do citado trabalho. Os níveis visados de reposição elevam os níveis de testosterona para 600-900 ng/dL”, alerta o médico neurologista.
Dr Arnoldo V da Costa aponta que uma falha metodológica relevante do estudo de R.Vigen foi não avaliar os níveis de estradiol no referido trabalho. “Em idosos pode ocorrer o aumento de gordura visceral, que favorece a ativação da enzima aromatase, que tem a capacidade de converter a testosterona no estradiol, e essa conversão pode alterar o balanço de fatores pró e anticoagulantes e aumentar o risco de ataques cardíacos e derrames cerebrais” explica o médico. “Na nossa série de pacientes em Brasília, nunca houve um único caso de ataque cardíaco ou AVC, porque os níveis de estradiol, assim como o de estrona estão rigorosamente controlados, mantidos abaixo de 100 pg/mL e os de estradiol entre 20 e 40 pg/ml. Quando há tendência ao aumento de estradiol recorre-se ao bloqueio da aromatase com a crisina ou arimidex, que inibem a enzima aromatase. Reduz-se assim o risco que talvez tenha levado às catastróficas complicações do estudo em tela”, esclarece.
Os especialistas indicam ainda que a série de pacientes tratados em Brasília com a reposição de testosterona e dos inibidores de aromatase, segundo a técnica farmacêutica padronizada e estudada em Congressos Internacionais, confirma uma pesquisa publicada em 2013, e que apontou nítidos benefícios cardiovasculares para uma grande série de pacientes.
Recente estudo alemão conduzido por E. Leifke e col demonstrou que a reposição de testosterona reduziu os níveis de ADMA (Assimetric Dimethyl Arginine) promovendo a redução dos riscos cardiovasculares. Ainda que seja um conceito muito recente, já se sabe que a ADMA impede a liberação adequada de Óxido Nítrico, essencial à fisiologia do endotélio. “Um estudo conduzido com inúmeras falhas terapêuticas e de acompanhamento clínico serviu apenas para criar pânico entre os usuários do fármaco que têm percebido a melhora de sua qualidade de vida. Demonstra que, para tratar do assunto, são necessários estudo e conhecimento científico completo no campo da fisiologia hormonal e das ciências farmacêuticas” Finaliza Leandra Sá de Lima“.
* É como sempre digo: já há alguns anos sobram “estudos” que parecem até forjados para sabotar a credibilidade do que, bem indicado e utilizado, pode livrar pessoas das garras da Indústria da Doença… Vacine-se, via informação de qualidade! Ou pelo menos sempre buscar ouvir “os dois lados da moeda”.
** Parabenizo os 2 autores deste pelo texto bem elaborado, explicado e respaldado.

Recentemente, lancei meu 9º livro, TOTALMENTE GRATUITO. Neste livro, apresento o mapa que meus melhores pacientes utilizaram para obter sucesso com uma saúde de qualidade. BAIXE AGORA MESMO! É GRATUITO PARA BAIXAR E COMPATILHAR.

Com o objetivo de assegurar sempre o melhor conteúdo para você, leitor ou leitora, nosso site passa por atualizações constantes. Este post foi atualizado em:

Dr. Ícaro Alves Alcântara

CRM: 11639-DF

Contato: 61 99646 - 7775

(marcação de consultas, inclusive online: pacientes de todo o Brasil e exterior)

Email:

recepção.med@gmail.com

Principal material em SAÚDE

www.icaro.med.br/saude

Entre para nosso grupo no Telegram para receber em primeira mão nossos posts

Gostou deste conteúdo? Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que você procura?

DESTAQUE

Receba atualizações sobre saúde no seu email

Inscreva-se para receber dicas incríveis sobre saúde, bem-estar e hábitos saudáveis de vida, além de outros assuntos relevantes na área da saúde. Mantenha-se atualizado para uma vida mais saudável e feliz.