Uso do hormônio HCG para fins de emagrecimento

* LEIA ISTO antes de continuar: http://www.icaro.med.br/artigos/hcg-aspectos-basicos-necessario.html/

Cada vez mais pacientes têm me perguntado sobre a famosa “dieta do HCG”, para emagrecimento rápido, eficaz e “saudável”: o que eu acho? Se tenho experiência com ela? Se faz mal? Se dá resultados?

MINHAS respostas preliminares são:

–       Acho que fisiologicamente tem fundamento;

–       Ainda não tenho experiência com ela;

–       Pode fazer mal, se for mal conduzida;

–       Sim, dá resultados (só que, se mal aplicada/acompanhada, a um “preço” alto p/o organismo e metabolismo…)

Por isso, resolvi escrever este texto para tentar esclarecer vocês sobre o assunto MAS antes de seguir em frente invista alguns minutos em ler o que está exposto nestes links (vai ajudar a melhor compreender o que pretendo expor em seguida – estes primeiros contam bem as bases do método, de forma clara e satisfatória):

http://oralhcg.com/portugues/index.htm

http://health.howstuffworks.com/wellness/diet-fitness/diets/hcg-diet3.htm

E também estes (para quem quiser ainda mais informações):

http://www.indexmedico.com/english/obesity/hcg.htm

http://www.healthyhcg.com/hcg-diet-drops-side-effects.html

http://www.ecologiamedica.net/2012/08/tratamento-com-hcg-para-emagrecimento.html

Se vocês prestaram atenção, viram que coloquei acima tanto links que falam bem quanto que “falam mal” do método, cada um com suas justificativas (de melhor ou pior qualidade e adequação científica) para sua análise: fiz isto porque acho que todos precisamos conhecer “os dois lados da moeda” para formarmos nossa própria opinião, preferencialmente bem embasada; e para mostrar que o “método HCG” não é novo (tem mais de 50 anos!) mas até hoje é considerado polêmico apesar de amplamente utilizado por todo o mundo. E é claro que isto é uma mera amostragem já que há milhares de textos, sites e opiniões sobre o assunto na internet.

Antes de continuar este texto, sugiro que você LEIA COM ATENÇÃO o conteúdo dos links acima!

Em seguida, complemento este texto com as MINHAS opiniões e comentários sobre o assunto: afinal, iniciei eu mesmo o protocolo para poder testá-lo, fiz várias adaptações e já estou registrando muita coisa sobre ele para discutirmos.

Parte 2: Minha experiência “na própria pele”  e comentários gerais sobre ela

Como já disse, eu mesmo resolvi testar o HCG junto à dieta habitualmente recomendada (para ser feita associada a ele); abaixo seguem minhas considerações acerca do que já estudei sbre o assunto E minha experiência pessoal com o protocolo:

1 – NÃO pode ser utilizado por qualquer pessoa, sem indicação e acompanhamento por médico e nutricionista funcional competentes (lembrando que só o médico pode prescrever o HCG porque é um hormônio);

2 – A procedência do HCG e como ele foi preparado para consumo são aspectos muito importantes: por exemplo, se sublingual, deve ser mantido sempre refrigerado e nunca aquecido para que seja envasado (também esta disponível injetável, importado, pelo que sei). Para o sublingual também é fundamental ressaltar que deve ser deixado 5 a 10 minutos embaixo da língua para BOA absorção mesmo;

3 – As dietas que vi indicadas para acompanharem o método são quase todas com restrição TOTAL de carboidratos e gorduras, algo com o que não concordo por não parecerem de acordo com a Fisiologia (até tentei por 2 dias mas vi que minha performance mental caiu muito, motivo pelo qual restringi ao máximo os carboidratos e coloquei só complexos, em pequena quantidade, somente nas refeições principais – Minhas intermediárias sempre foram 01 maçã ou pêra, sem problemas): afinal, lembremos sempre que o cérebro e o coração são MUITO sensíveis à hipoglicemia, que pode chegar a ser perigosa em níveis extremos;

4 – Até o momento, perdi 2 kg de massa gorda e praticamente NADA de massa magra MAS, ao contrário do que indicam, não parei academia ou tive perda de performance física (possivelmente pela restrição incompleta a carboidratos);

5 – Por definição, o HCG seria para melhorar o metabolismo (por exemplo pela regularização dos níveis de testosterona) e para reduzir a perda de massa magra causada pela brutal baixa na glicemia (afinal, em condições de hipoglicemia, mecanismos hormonais atuam também para a quebra de aminoácidos, provenientes das proteínas sobretudo musculares, para geração de glicose e de energia), uma vez que as dietas mais comumente indicadas para acompanhar o HCG são de 500 a 800 calorias mas sem carboidratos ou gorduras, ou seja, bastante severas;

6 – Um dos grandes medos de quem faz qualquer dieta (e/ou uso de medicamentos/suplementos) é o efeito rebote/sanfona: recuperar todo o peso depois (pela volta à dieta habitual ou falta das substâncias utilizadas no organismo). Mas para isso conversei com 2 nutricionistas que submeteram-se ao protocolo HCG (por menos de 20 dias) e ambas negaram que isso tenha acontecido e até ao contrário: relataram que por semanas o metabolismo parece ter ficado até melhor que antes. Não sei como o meu vai ficar mas posso informar-lhes depois…

7 – Sobre o metabolismo, um colega endocrinologista me garantiu que as doses de HCG prescritas (que variam de 125 a 500 U/dia, pelo que estudei) não são grandes o suficiente para desequilibrar os hormônios de uma pessoa mas parece que os níveis de testosterona melhoram; além disso, sabe-se bem que os níveis altos de HCG e progesterona durante uma gestação normal costumam equilibrar o eixo hormonal da mãe, ou seja, pressuponho que se o HCG, quando bem e conscientemente indicado para um paciente, tiver que exercer efeito mensurável sobre seus hormônios, tem tudo para ser positivo…

8 – Os defensores do método comentam que o mesmo pode ser repetido, após cada ciclo de no máximo 40 dias de uso do HCG (período após o qual parece que o cérebro finalmente “descobre” que não há gravidez alguma e que por isso não precisa mais poupar as proteínas do usuário e consumir prioritariamente seus depósitos de gordura, em vigência de hipoglicemia), a cada 6 a 8 semanas de intervalo. Por segurança, esperarei 8 semanas antes de repetir, mesmo…

9 – Utilizei pelos 4 primeiros 2 dias só 125U de manhã e devo dizer que do meio da tarde em diante a fome e o cansaço estavam incômodos, ao que passei a usar 125U ao acordar e outras 125U no meio da tarde, com bom controle do apetite e aparente metabolismo ok, com boa disposição.

Por tudo isso, portanto:

Acredito que o HCG possa ser simplesmente um bom aliado de uma boa dieta, para maximizar os efeitos desta dieta (desde que esta contemple o máximo possível de restrição a carboidratos e recomendo total restrição às gorduras), já que o hormônio parece realmente otimizar o metabolismo e a termogênese, tendo gorduras como substrato ao mesmo tempo em que ajuda a poupar os músculos (bioimpedâncias seriadas mostraram que os meus foram poupados). Mas é claro, como já disse acima: nem todo mundo pode usar o hormônio e utilizá-lo pressupõe disciplina com bons hábitos de vida e excelente acompanhamento!

Um abraço

admin | Médico

Gostou deste conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on telegram
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques

CÂNCER

Alguns comentários MEUS sobre CÂNCER, visando ajudar você a entender melhor o assunto. Atendendo a inúmeros pedidos, segue abaixo uma

Entre para nosso grupo no telegram para receber em primeira mão nossos posts

Assuntos relacionados

3 mitos em Saúde – Tratamento do Hipotireoidismo
DHEA - Quem está envelhecendo, precisa conhecê-los
Usa ou já usou método ANTICONCEPCIONAL com hormônios? Então sugiro que leia isto: