Retorno de consultas – Por que é importante e como proceder

RETORNO de consultas – Por que é importante e como proceder

Escrevi este breve texto mais com o intuito de orientar meus pacientes quanto ao que é importante “levar” para o retorno de consultas comigo mas acredito que possa ser útil para todos vocês, pacientes e profissionais de Saúde em geral.

Habitualmente todo paciente que consulta-se comigo tem, incluído no valor da consulta, 2 avaliações: a primeira de cerca de 1h de duração e um retorno em até 60 dias após esta, com 30 a 60 min. de duração. Os normativos existentes definem o “retorno” como o momento em que o médico, através do relato do paciente, avalia os resultados neste das medidas orientadas na consulta logo anterior e indica as alterações necessárias no plano de tratamento do paciente; o conceito é simples mas percebo que muitos pacientes ainda confundem-se muito com ele e acabam “esquecendo” o que realmente é fundamental para um retorno produtivo… Então vamos a isto.

O que levar para um RETORNO de consulta comigo (preferencialmente anotado, para não esquecer informações importantes)? Acima de tudo, como diria Sócrates, “Conhece-te a ti mesmo”: todo paciente deve observar-se bem para não só perceber as mudanças que ocorrem nele mas também registrá-las para relatar posteriormente; afinal, é baseado nelas que o médico pode avaliar sua conduta com o paciente que, se não presta atenção nem em si mesmo, quem dirá ao tratamento… Portanto, além de eventuais resultados de exames e relatórios/laudos em geral obtidos, que TODO paciente traga, sobretudo, respostas de qualidade (completas e verdadeiras… Mentir para o médico sabota seu próprio tratamento!) a estes questionamentos:

0 – Como você está?

Possivelmente esta é a pergunta mais importante, já que resume sua percepção subjetiva, como paciente, dos resultados gerais do tratamento em relação às suas expectativas. E lembre-se sempre que nem tudo que você espera de um tratamento é possível de ser alcançado com saúde (ou o custo seria muito alto para ela).

1 – Alguma situação/ocorrência nova?

Algo novo aconteceu na sua vida desde a última consulta que possa ter afetado sua saúde e a eficácia/adequação do tratamento? Se sim, precisa ser informado para que o médico possa avaliar o impacto disto e tomar as medidas eventualmente necessárias, de adaptação e mesmo superação dos efeitos sobre você, quer tenha sido uma consulta em pronto-socorro ou mesmo uma ocorrência de stress emocional

2 – O que você fez, do que foi orientado?

Dizer pro médico, claramente, o que você fez e o que você não fez, do que foi por ele orientado na consulta anterior, é fundamental; afinal, se você fez tudo o que foi indicado e não teve bons resultados, “é uma coisa”, mas se você nem seguiu direito as orientações, não tinha mesmo como esperar grandes resultados, concorda?

3 – O que melhorou? O que piorou? O que ficou “igual”?

Aqui sugiro que você faça uma tabela onde coloque todas as queixas que levou para a primeira consulta, encaixando-as em uma das 3 categorias citadas acima; afinal, cada sinal/sintoma só pode mesmo ter melhorado, piorado ou ter permanecido inalterado após o tratamento, não é? E saber tudo isto é que permite ao profissional inferir o que deve ou não ser mudado, em que bases e mesmo como fazê-lo.

4 – Como estão seus Hábitos de Vida? O que pôde otimizar, manter e o que não?

Hábitos de vida saudáveis são fundamentais para obter, manter ou melhorar qualquer coisa em Saúde, atingir qualquer objetivo positivo em termos de Qualidade de Vida e Bem Estar; estes: www.icaro.med.br/12Passos

5 – Surgiram sintomas novos? Se sim, quais?

Sintomas novos podem significar efeitos colaterais das medidas/substâncias prescritos, ou seja, têm toda a importância!

6 – Tem resultados de exames/laudos/relatórios para apresentar?

Apresente-os! E uma excelente idéia é registrá-los e acompanhar sua evolução, conforme sugerido aqui: https://info.icaro.med.br/planilhas-para-acompanhamento-de-exames/

7 – Dúvidas?

Tire-as, todas: não há coisa mais danosa para um tratamento e para a relação médico-paciente que o entendimento ruim das condutas (ou como executá-las) ou os “mal-entendidos”.

Enfim, gostaria sempre que MEUS pacientes procurassem observar o disposto acima em todos os seus retornos; para os demais, espero que o material seja útil!

Um abraço

*Texto atualizado em Julho/19

admin | Médico

Gostou deste conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on telegram
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques

Saúde Intestinal

Saúde Gastro-Intestinal, Saúde Intestinal ou termos parecidos = Saúde de todos os componentes e órgãos do aparelho digestivo e boa

Entre para nosso grupo no telegram para receber em primeira mão nossos posts

Assuntos relacionados